Graduação Pós-Graduação Pesquisa Extensão Biblioteca Intercâmbios Comunicação A FFLCH  
Skip to Content

Boletim Acontece na FFLCH-USP nº 206

 

 

Palestras do GMHP (Grupo de Morfologia Histórica do Português)

 

O GMHP (Grupo de Morfologia Histórica do Português) e o NEHiLP (Núcleo de Apoio à Pesquisa em Etimologia e História da Língua Portuguesa), ambos coordenados pelo Prof. Dr. Mário Eduardo Viaro, convidam para as próximas palestras, gratuitas e sem necessidade de inscrição prévia, que serão proferidas no próximo dia 06 de novembro, (quarta-feira), a partir das 13h, na sala 266 do prédio de Letras.
 
 
 
1ª Palestra:
Edgard Santana Bikelis 
"A Apofonia Vocálica nas Línguas Indo-Européias"
 
2ª Palestra:
Prof. Dr. José Marcos Mariani de Macedo (DLCV/FFLCH/USP)
 "Alguns epítetos divinos gregos: fraseologia e etimologia"
 
 
 
 
Prédio de Letras (sala 266). Av. Prof. Luciano Gualberto, 403, Cidade Universitária, São Paulo

 

 

 

 

Seminário "Bolsa-família, dinheiro e liberdade", com Walquiria Leão Rego (Unicamp)

 

A Coordenação de Seminários do Departamento de Ciência Política  convida para o Seminário "Bolsa-família, dinheiro e liberdade", que será dirigido pelo professora Walquiria Leão Rego (Unicamp), na quinta-feira, 07 de novembro, às 10h, na sala 08 do Prédio de Filosofia e Ciências Sociais. O evento é gratuito e aberto aos interessados, sem necessidade de inscrição prévia.
 
Informações: (11) 3091-3754
 
QUI | 07.11 | 10h00
 
Prédio de Filosofia e Ciências Sociais (sala 08). Av. Prof. Luciano Gualberto, 315, Cidade Universitária, São Paulo
 
E , às 17h30 do mesmo dia, também na sala 08, a professora  Cristina Inoue (UNB) dirigirá o tema "Governança ambiental global, mudança do clima e municípios amazônicos". Leia mais...
 
 
 
 
 
 
 

Lançamentos:


 

"Tupi Antigo: A Língua Indígena Clássica do Brasil", de Eduardo de Almeida Navarro

 

O Dicionário Tupi antigo – A língua indígena clássica do Brasil, do professor da FFLCH Eduardo de Almeida Navarro, é o maior dicionário de Tupi publicado no Brasil. Língua clássica do nosso país, o tupi antigo é a língua indígena que mais participou da formação da civilização brasileira e  deixou milhares de palavras no português, nos nomes de lugares e nos nomes de pessoas de nosso país, com importante influência na literatura brasileira.
 
Com 624 páginas, o dicionário tem prefácio do escritor Ariano Suassuna, da Academia Brasileira de Letras e é fruto de longa pesquisa, fundamentado completamente nas fontes quinhentistas e seiscentistas. Dará importante contribuição a todos os que se interessam pela nossa história.
 
Eduardo Navarro é também autor do livro Método Moderno de Tupi Antigo, publicado pela Global Editora.
 
Sobre o autor: Eduardo de Almeida Navarro é, há 20 anos, professor de Tupi antigo na Universidade de São Paulo, onde também ensina, desde 2009, o Nheengatu. Atualmente, realiza pesquisas no Rio Negro, Amazonas, e dedica-se à composição de um dicionário de Língua Geral. Sempre priorizou seu trabalho com os alunos de graduação, tendo grande pendor para o ensino e para a formação dos jovens. Já ministrou palestras sobre a cultura brasileira em diversas partes do mundo, desde Timor até a Palestina.
Editora: Global

 

 

 


 

Pensamento Alemão no Século XX (Vol. 3) - Jorge de Almeida e Wolfgang Bader (orgs.)

 

 
O terceiro volume do ciclo promovido pelo Instituto Goethe tem como foco as artes: música, literatura, teatro, cinema, dança e artes visuais. Os ensaios exploram a obra e a influência no Brasil de nomes como Franz Kafka, Thomas Mann, Bertolt Brecht, Pina Bausch, Stockhausen, Schönberg, além de escolas e estilos, como Bauhaus e o expressionismo alemão. Os textos ágeis funcionam como uma ótima porta de entrada a temas caros da cultura alemã.
 
Editora: Cosac Naify e Instituto Goethe

 

 

 

 

 
 

 

Lançamento: Romeu e Julieta na aldeia, de Gottfried Keller. Tradução, posfácio e notas de Marcus Vinicius Mazzari

 

Inspirado em um fato verídico, ocorrido no interior da Alemanha em 1847, o grande escritor suíço Gottfried Keller (1819-1890) criou seu Romeu e Julieta na aldeia. A narrativa foi publicada pela primeira vez em 1856, no volume A gente de Seldvila, tido por Nietzsche como um “tesouro da prosa alemã”. Ao atualizar a tragédia de Shakespeare e enraizá-la numa aldeia suíça, Keller concebeu uma novela de ressonância universal, considerada por Lukács e Benjamin, entre outros, como um dos exemplos mais perfeitos de seu gênero.
 
Poucas vezes a literatura deu forma tão clara e concentrada à paixão luminosa entre duas pessoas ao mesmo tempo em que, com precisão insuperável, expôs as iniquidades da moral burguesa, fundada na propriedade e na exclusão do outro. Com mestria narrativa, andamento musical e um estilo primoroso, capaz de alcançar na prosa um poder de síntese e sugestão só equiparável ao da grande poesia, Keller descreve todas as etapas do envolvimento amoroso — a graça lúdica inicial, o reconhecimento mútuo dos afetos, a entrega simultaneamente lírica e sensual, até o arrebatamento dos sentidos e o pacto de honra que, neste livro, sela o destino dos dois jovens.
 
Resultado de intensos estudos, a tradução de Marcus Vinicius Mazzari, que também assina o posfácio, é acompanhada pelas sensíveis ilustrações de Karl Walser (1877-1943) e de um texto inédito no Brasil do escritor Robert Walser (1878-1956), que destaca a combinação singular de gravidade e graça que caracteriza este livro tão poderoso quanto encantador.
 
Editora 34
 
 

 

* A programação de eventos, defesas de mestrado e doutorado da FFLCH está disponível em http://fflch.usp.br/calendar/2013